Copyright © 2014 | Desenvolvido por: OnLine

CNA contesta decisão do Mapa

16 Dec 2017

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) contestou a decisão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) de disponibilizar ao produtor rural só em 2019 as mudanças da vacina contra a febre aftosa aplicada em todo rebanho bovino do país. A CNA pede que o governo priorize essa questão e coloque a vacina no mercado já em 2018.

 

Durante a reunião da Câmara Setorial da Carne Bovina, na quarta-feira (13), em Brasília, o Ministério da Agricultura informou aos participantes que a nova fórmula da vacina não estaria pronta no ano que vem.

A decisão desagradou a CNA já que, em julho deste ano, a entidade assinou uma Nota Técnica pedindo a mudança na composição da vacina com a redução do volume da dose, de 5 ml para 2 ml, e a retirada da substância saponina. De acordo com a entidade, a demora do posicionamento do Ministério demonstra uma falta de priorização da cadeia, que tem sofrido com o embargo da carne brasileira pelos Estados Unidos.

Para o presidente da Comissão Nacional de Bovinocultura de Corte da CNA, Antônio Pitangui de Salvo, foi uma “surpresa negativa” saber que o produtor só terá a vacina com a nova fórmula à disposição em 2018. “Era uma exigência e uma necessidade do produtor ter

 

 

o mais rápido possível essas vacinas com menor dosagem e sem a saponina, que é um coadjuvante que causa também esses abscessos”, disse.

 

Pitangui explicou ainda que a vacina trouxe muitos benefícios, já que o Brasil exporta praticamente para o mundo inteiro e está livre há mais de 20 anos da doença. “Mas também sabemos do que ocorreu no começo deste ano com o embargo dos EUA, que ainda não voltou a comprar a carne brasileira porque não sente segurança de que esses abscessos terminaram por completo”, destacou.

Prejuízos – Estimativas indicam que o produtor perde, em média, 2 quilos de carne por animal abatido, quando as lesões provocadas pela vacinação são encontradas. As entidades lembram que o pecuarista já possui gasto com a compra da vacina, além de não ser ressarcido pela carne descartada. Aproximadamente, são R$ 600 milhões despendidos por ano na aquisição do produto levando em consideração um rebanho de 215 milhões de cabeças vacinadas no país.

Please reload

Ultimas noticias

Bônus beneficia agricultores familiares de diversos estados

November 21, 2016

1/9
Please reload

Notícias Recentes
Please reload